Fusão pode ampliar disputa sobre genérico

Juntas, Droga Raia e Drogasil tendem a ter mais margem para negociar descontos, segundo laboratórios

A união das operações de Droga Raia e Drogasil poderá elevar as margens de negociação das redes com os laboratórios e ampliar a disputa sobre o preço dos genéricos.

De acordo com laboratórios ouvidos pela Folha, a explicação está na lógica das negociações. Com maior escala de compra, as empresas podem barganhar descontos mais amplos para o consumidor.

O impacto, no entanto, não se estenderia aos chamados medicamentos de referência (não genéricos e sujeitos a prescrição), que têm o preço regulado pela Câmara de Medicamentos, órgão vinculado ao Ministério da Saúde. Como são amplamente procurados pelas redes, a margem de descontos concedida pelos laboratórios é menor.

Segundo executivos próximos às negociações, uma estratégia de Droga Raia e Drogasil em genéricos seria adotar a mesma tática da Drogaria São Paulo, hoje líder de vendas, que arremata os lotes de genéricos dos laboratórios com menor preço. Procurada, a rede não comentou a informação.

Os genéricos são vistos como uma grande fronteira de competição para o setor, pois patentes de medicamentos importantes de grandes laboratórios vão vencer neste ano. O segmento cresceu 30% nos últimos 12 meses e hoje atinge R$ 7,3 bilhões.

Os benefícios para o consumidor com a consolidação do setor, no entanto, não são tão evidentes aos olhos de Pedro Matizonkas, da ESPM. “Os benefícios estão no ganho de musculatura das redes em número de lojas. O nível de serviço também precisa ser provado.”

Juntas, Droga Raia e Drogasil atingem receita de R$ 4 bilhões, somam 700 lojas e formariam uma empresa líder do setor.

Para Sérgio Mena Barreto, presidente da Abrafarma (Associação Brasileira das Redes de Farmácia e Drogarias), se concretizada, a transação não deve enfrentar resistência das autoridades regulatórias, em razão de o setor ser pulverizado.

Juntas, as empresas terão menos de 10% do mercado. “A empresa conjunta poderá fazer uma nova emissão na Bolsa e se capitalizar para abrir novas lojas”, afirma.

Segundo analistas ouvidos pela Folha, a Drogasil perdeu a oportunidade de ser a consolidadora do mercado, superada, por exemplo, pela movimentação da Drogaria São Paulo com a aquisição da rede Drogão em 2010.

Concorrência
A fusão com a Droga Raia é tida como a melhor solução para a Drogasil para expansão imediata e para proteger o mercado paulista das investidas da Pague Menos, forte principalmente no Nordeste.

Já a Droga Raia tende a melhorar as margens com a união com a Drogasil. Enquanto esta lucrou R$ 89 milhões no ano passado, a Raia ganhou só R$ 1,7 milhão.

Mas, para Sandra Peres, analista da Coinvalores, ainda há questões pendentes. “Existem sobreposições expressivas de lojas. Possivelmente existirão duas unidades numa mesma esquina nos grandes centros, o que poderá provocar o fechamento de certas unidades”, diz.

Hoje, cerca de 50% do faturamento de ambas as redes está no Estado de São Paulo.

 

Fonte: Folha de S. Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

treze + 6 =

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo

SINDICATOS

Rolar para cima