Saúde Suplementar e SUS no pós-pandemia

saúde suplementar

Compartilhar artigo

Publicado pelo jornal Labor News, o presidente da Fehoesp, Yussif Ali Mere Junior, escreve artigo sobre o cenário da saúde suplementar versus o panorama do SUS pós-pandemia

A saúde suplementar no Brasil vem contabilizando números positivos nos últimos meses.

Em março deste ano o país superou a marca de 49 milhões de usuários, segundo a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Esse aumento é de 2,6% na comparação com março do ano passado.

Já em junho, foram mais de 49 milhões e 600 mil beneficiários utilizando planos privados de assistência médica.

Em 2020, o país tinha menos de 47 milhões de beneficiários e, desde então, o aumento da adesão vem sendo contínuo.

Especialistas analisam que a média salarial de contratação está menor.

Afinal, a queda nas taxas de desemprego veio com salários mais baixos e o incremento desses salários depende do crescimento do PIB.

A reação na oferta de vagas de emprego tem sido registrada no aumento de vagas formais de trabalho e de trabalhadores por conta própria. Esses são perfis que buscam por planos de saúde.

Mas também vem crescendo o trabalho informal, um perfil que, em tese, tem mais dificuldade de acessar a saúde suplementar.

Dentro do modelo atual – considerando economia em recuperação devido ao afrouxamento das medidas de isolamento, possibilidades de aumento de vagas de empregos formais, expectativa de incremento do PIB, dentre outras possibilidades.

Desse modo, a saúde suplementar tem boas chances de atrair tanto usuários que deixaram seus planos em consequência da situação econômica, quanto novos beneficiários que chegam ao mercado de trabalho.

Nesse cenário ainda é possível que a experiência com a pandemia tenha também um novo peso na opção do brasileiro pela saúde suplementar.

E a saúde pública?

Mas o SUS precisa de um bom projeto de gestão que responda a inúmeras novas e velhas variantes.

A saúde pública brasileira atua especialmente na atenção curativa.

Dessa forma, com menor atenção nos cuidados de longo prazo e reabilitação, segundo o livro “Contas de saúde na perspectiva da contabilidade internacional: conta SHA para o Brasil, 2015-2019”, publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Em síntese, nesse período estudado quase metade das despesas em saúde foram empregadas na atenção curativa.

Somando gastos com medicamentos, artigos médicos e exames, esse percentual chega a mais de 80%.

Esse retrato mostra um país doente, atrás de cura.

É preocupante termos menos de 20% dos gastos em saúde para prevenção, vigilância e outras ações efetivas nos cuidados com a qualidade de vida da população.

É senso comum que a qualidade assistencial do SUS à população em geral não contribui como deveria para a qualidade de vida.

Saúde se faz com educação e prevenção.

Há que se pensar nos pontos de vulnerabilidade do modelo curativo.

Além de ser mais caro está sendo colocado na berlinda com o envelhecimento rápido da população, com possíveis endemias que abalam todo o sistema, com o surgimento de novas doenças ou conflitos políticos e econômicos pelo mundo que abalam países mais dependentes, só para citar alguns exemplos.

Por tudo isso, é preciso considerar a importância de se repensar os pontos de gargalo do SUS neste novo cenário e a necessidade de incrementar as parcerias da saúde pública com a privada.

Como, por exemplo, do atendimento aos pacientes crônicos renais, a urgência de implementar no país um amplo programa de educação para a saúde tanto para o usuário final quanto para universidades que formam profissionais da saúde, até para gestores de saúde pública e privada.

Quais são as perspectivas para o futuro da saúde?

Com processos de gestão analisados continuamente, a saúde suplementar tem condições de promover ajustes mais rapidamente.

Desde que, evidentemente, trabalhe com dados que contribuem para aprimorar os processos e prever cenários.

Em julho de 2020, a ANS divulgou que os planos de saúde perderam 283 mil usuários com a pandemia e o aumento do desemprego.

Então há uma demanda latente. Sob essa ótica, uma reação econômica no país deve impactar positivamente no acesso do brasileiro à saúde suplementar.

Estes são os pontos sobre os quais os gestores devem se debruçar incansavelmente para planejar uma máquina mais eficiente.

Confirmando-se novos incrementos salariais a reboque de uma melhora possível dos principais indicadores econômicos brasileiros, a tendência é o investimento em saúde privada acompanhar a elevação.

Será o momento de também os gestores privados anteciparem-se aos gargalos, usando como lições as fragilidades do SUS.

Afinal, prevenção cabe em todos os níveis quando se trata de saúde.

Continue acompanhando mais análises sobre o setor, a agenda de eventos e as convenções coletivas firmadas pela Fehoesp na aba ‘Notícias‘.

Artigos Relacionados...

Curta nossa página

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo
plugins premium WordPress
Rolar para cima