Remédios até 11% mais baratos

O número de medicamentos com redução ou isenção de duas contribuições sociais (PIS e Cofins) deve ser ampliado em 163 itens. Segundo o Ministério da Saúde, são princípios ativos usados em várias drogas.

Compartilhar artigo

Receita vai ampliar o número de princípios ativos que contam com isenção ou redução de PIS e Cofins. As substâncias são usadas na fabricação de produtos de uso contínuo e de combate a surtos epidemiológicos

O número de medicamentos com redução ou isenção de duas contribuições sociais (PIS e Cofins) deve ser ampliado em 163 itens. Segundo o Ministério da Saúde, são princípios ativos usados em várias drogas. A “lista positiva” vai passar de 1.472 para 1.635. Ela inclui produtos de grande relevância para a população, como os de uso contínuo, com tarja vermelha ou preta (para câncer, hemorragias, pressão alta, diabetes, entre outros males), ou de combate a surtos epidemiológicos (dengue, sarampo e tuberculose). De acordo com cálculos da Receita Federal, os remédios beneficiados devem ficar 11% mais baratos.

“O efeito pode ser multiplicado. Diversos fármacos caros e essenciais contêm esses princípios ativos. Muitos deles são doados nos programas oficiais, mas uma parte é adquirida no comércio formal. Vai ser um alívio para a população que depende deles”, disse um técnico do governo. O Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos de São Paulo (Sindusfarma) solicita a inclusão de itens todos os anos desde 2007. Novos produtos surgem no mercado e, em muitos casos, com eficiência maior.

A última lista que a Sindusfarma enviou ao Ministério da Saúde tinha 346 substâncias. Na visão do vice-presidente da entidade, Nelson Mussolini, os medicamentos brasileiros são sujeitos a uma das maiores cargas tributárias do mundo. “Os impostos que incidem sobre os remédios chegam a 33,9% do preço que o brasileiro paga, enquanto média mundial não passa de 6%”, comparou. A redução, ainda que sobre alguns produtos, vai beneficiar principalmente os mais idosos, que dependem de remédios para manter a saúde.

Aos 60 anos, o comerciante Ronaldo Vilanova gasta cerca de R$ 600 em medicamentos de hipertensão, diuréticos e vitaminas para consumo próprio e da esposa. Boa parte dos produtos de uso contínuo, como anti-hipertensivos e remédios para diabetes, é repassada aos consumidores, com custo zero, pelas farmácias que atendem os programas governamentais. Ronaldo, no entanto, não é atendido pelo benefício – seus medicamentos não contam com o benefício. “Quando os remédios estão cadastrados no programa, não consigo comprar porque a dosagem passada pelo médico é maior do que a permitida para a venda”, queixou-se.

Necessidade
Ronaldo não se conforma com os preços e a inflexibilidade na venda dos medicamentos. Para ele, itens ligados à saúde deveriam ser isentos de impostos. “As pessoas não compram medicamentos porque querem, mas por necessidade. Se o governo quer uma população com saúde, deveria isentar os remédios”, propôs. “Não faz sentido determinarem qual medicamento e qual dosagem as pessoas devem tomar. Um remédio que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra. Muita gente fica prejudicada.”

Maria José Parreira, 63 anos, é mais radical. Para ela, todos os remédios de uso contínuo deveriam ser gratuitos. “As pessoas trabalham a vida toda para chegar à velhice e gastar toda a aposentadoria em remédios”, reclamou. Todo mês, ela compra remédios para hipertensão, colesterol alto, tireoide e depressão. Os anti-hipertensivos estão na lista de medicamentos repassados de forma gratuita, mas Maria só tem acesso a uma caixa, dosagem limite oferecida pelo governo. A outra caixa necessária sai do próprio bolso por aproximadamente R$ 40. Segundo ela, boa parte de sua renda, de R$ 2 mil, é gasta com saúde. “Só em medicamentos são mais de
R$ 200. Se somarmos médicos e exames, o valor supera os R$ 500.”

A ampliação da “lista positiva” vai provocar uma renúncia fiscal de apenas R$ 20 milhões anuais para os cofres da União. Para bancar a redução dos preços dos remédios controlados, o governo conta com o dinheiro que vai entrar com o aumento de 30 pontos percentuais do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos carros importados. Depois de analisada pela Casa Civil, a nova lista será anunciada por um decreto presidencial.

Fonte: Correio Braziliense

Artigos Relacionados...

Últimas Notícias

As mudanças climáticas e as ameaças à saúde

Os brasileiros ainda acompanham, atônitos, à tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul (RS). Em meio ao caos, movimentos de solidariedade se espalham pelo

Curta nossa página

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

Há 20 anos somos a entidade representativa dos estabelecimentos privados de saúde de São Paulo em âmbito nacional

plugins premium WordPress
Scroll to Top