Promotoria abre inquérito para apurar ação na cracolândia; governo reage

Operação precipitada, feita à base de cavalos, bombas de gás, balas de borracha, dor e sofrimento e aparentemente desastrosa. Após criticar a Operação ...

Compartilhar artigo

Para secretário da Segurança Pública, atuação dos promotores é ‘oportunista’, ‘pirotécnica’ e serve aos interesses dos traficantes

“Operação precipitada”, feita “à base de cavalos, bombas de gás, balas de borracha, dor e sofrimento” e “aparentemente desastrosa”. Após criticar a Operação Centro Legal, o Ministério Público Estadual anunciou ontem que instaurou inquérito civil para apurar medidas adotadas por Estado e Prefeitura na cracolândia.

A reação do governo foi rápida. O secretário de Estado da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, definiu a atuação de promotores como “oportunista”, “pirotécnica” e “de interesse dos traficantes”. “O destino desse inquérito é o limbo dos arquivos”, disse, reclamando que o Estado nem foi ouvido. “Desastrada foi a maneira como os promotores estão abordando o tema.”

A discussão foi mais um capítulo da polêmica que começou na terça-feira da semana passada, com o cerco da cracolândia pela Polícia Militar. Um dia depois, o coordenador de Políticas sobre Drogas da Secretaria de Estado da Justiça, Luís Alberto Chaves de Oliveira, disse que a estratégia era forçar usuários a buscar tratamento por meio de “dor e sofrimento” causado pela dificuldade de encontrar a droga.

Ontem, promotores rebateram. “Queremos articulação e respeito em vez de dor e sofrimento”, disse Eduardo Ferreira Valerio, dos Direitos Humanos e Inclusão Social, ao lado dos também promotores Arthur Pinto Filho, da Saúde, Luciana Bergamo Tchorbadjian, da Infância e Juventude, e Mauricio Antonio Ribeiro Lopes, de Habitação e Urbanismo. “Nosso propósito é tentar entender o fundamento terapêutico de impor dor e sofrimento a dependentes. Essas pessoas já tiveram dor e sofrimento suficientes pela vida. Não é preciso que o Estado imponha uma dose suplementar”, explicou.

Segundo eles, o objetivo do inquérito é apurar abusos cometidos pela polícia e entender as metas da ação, que tem causado migração de usuários a outras regiões da cidade. “Em curtíssimo prazo, isso significa tornar essas pessoas inacessíveis aos técnicos da assistência social, impedindo a criação de vínculos”, disse Valério, porta-voz do grupo.

Ferreira Pinto negou que a ação tenha sido precipitada. E disse que a Prefeitura dispõe de equipamentos sociais e de saúde necessários para atender usuários. “Dizer que era preciso esperar a abertura do centro da Rua Prates é um despropósito.”

Para os promotores, a operação tampouco serve para acabar com o tráfico. “Isso significa desprezar a evidente e notória capacidade que as organizações criminosas têm de adequar sua logística às condições necessárias para continuar a cracolândia. Evidentemente, onde estiver o consumidor, aí estará o traficante.” Eles também criticaram os gastos da operação, apontando a possibilidade de acusar os responsáveis por improbidade administrativa, Ferreira rebateu afirmando que as medidas estão sendo tomadas com transparência e disse “lamentar” a leviandade das acusações. Por fim, afirmou que a polícia continuará na cracolândia independentemente do inquérito.

Em nota, a Secretaria da Justiça, responsável por coordenar as ações, amenizou. “O governo do Estado vê com bons olhos todos os esforços de outras instituições, como o Ministério Público, para aperfeiçoar o combate a essa chaga social.”

Fonte: O Estado de S. Paulo

Artigos Relacionados...

Últimas Notícias

As mudanças climáticas e as ameaças à saúde

Os brasileiros ainda acompanham, atônitos, à tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul (RS). Em meio ao caos, movimentos de solidariedade se espalham pelo

Curta nossa página

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

Há 20 anos somos a entidade representativa dos estabelecimentos privados de saúde de São Paulo em âmbito nacional

plugins premium WordPress
Scroll to Top