Em pouco tempo não teremos saúde suplementar

Solange Mendes, presidente da Fenasaúde, abordou a regulamentação e regulação nas operadoras de saúde durante o painel "O que mudou depois da máfia das próteses", do Fórum A Saúde do Brasil, realizado pela Folha de S. Paulo.

"Nós operadoras temos muita transparência sim, mas acho impressionante falar que o setor seja regulado quando essa responsabilidade caiu somente para os planos de saúde. Hoje basicamente a regulação controla preço", explicou. "Em pouco tempo não teremos mais saúde suplementar, a não ser que o poder público monte uma loteria".

Para a presidente, o aumento nos custos de procedimentos e produtos calha também com a má formação profissional dos médicos.

"Maus profissionais devem ser afastados. A operadora é quem dá o financiamento da saúde para o beneficiário, mas a responsabilidade é total do médico. É urgente reduzir custo e também investir na formação humanística e comportamental do profissional".

Ela defende fóruns de discussão mais imediatos. "As operadoras que represento tem trabalhado muito. A regulação da agência, assistencial, de solvência, ela é intensa".

 

Por Rebeca Salgado

Foto: Leandro Godoi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

14 + 1 =

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo

SINDICATOS

Rolar para cima