Empresas de Jundiaí entram na era digital

Documentos eletrônicos prometem facilitar administração de negócios e reduzir custos para empresários

Desburocratização de processos, maior segurança e redução de custos são fatores apresentados como benefícios do certificado digital, documento eletrônico que passou a ser obrigatório para empresas, prestadores de serviços e profissionais da área médica no Brasil.

Ele contém informações que identificam pessoa ou empresa na internet e, a partir de julho de 2012, será imprescindível para determinadas atividades administrativas que fazem parte da rotina de empresas.

Em Jundiaí, a ACE (Associação Comercial e Empresarial) oferece o serviço desde outubro de 2009 segundo Edmara Turbiani, coordenadora da Junta Comercial. O número de pessoas se adequando à era da tecnologia digital é crescente desde então. Neste mês, mais de 400 pessoas já foram atendidas. O empreendedor Fábio dos Santos, 32 anos, está entre elas. Ele é proprietário do restaurante Ki Panella, na Vila Maringá, há três anos.

“Meu contador ainda está me explicando detalhadamente como o certificado digital vai funcionar. Por enquanto, sei que vai agilizar alguns processos e terei toda a documentação da minha empresa online para acessar quando quiser”, diz.

A novidade é interessante, mas deveria ter custo mais simbólico de acordo com o produtor de vídeos Everton Moraes Longo, 28, no mercado há 10 anos. “Gastei mais de R$ 200 para ter o certificado.

Acho o valor fora da realidade do mercado porque se trata de uma criptografia, coisa simples de se fazer”, diz, completando: “Já que é obrigatório e só valerá para serviços relacionados ao controle governamental, deveria ser mais barato.”

A tecnologia da certificação digital foi desenvolvida a partir dos avanços da criptografia nos últimos 30 anos. No país, os estudos para a implantação do documento eletrônico começaram em 2001, quando foi criada a ICP- Brasil, entidade regularizadora do documento.

Ranking
A unidade de atendimento para emissão de certificado digital da ACE passou de 21ª para 7ª posição em ranking realizado pela Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo. A atualização é feita com base nos últimos 12 meses e envolve as 146 localidades emissoras do documento que têm parceria com a Certisign.

Serviços médicos
Profissionais da área da saúde serão obrigados a entregar a DMED (Declaração dos Serviços Médicos) com imposto de renda por meio do certificado digital. A multa para quem não atender a norma será de R$ 5 mil.

Fonte: Jornal Bom Dia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 × 5 =

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo

SINDICATOS

Rolar para cima