Você está no site do SINDHOSP FEHOESP 360 Clique aqui para acessar o portal FEHOESP 360

Notícias

Um em cada cinco brasileiros terá câncer até os 75 anos

Um em cada cinco brasileiros terá câncer até os 75 anos

18/03/2016
Até os 75 anos, estima-se que um em cada cinco brasileiros deve desenvolver algum tipo de câncer. Foi com esse alerta que o primeiro "Atlas do Câncer" em língua portuguesa foi lançadoem São Paulo. O material traz um panorama da doença com informações coletadas em 185 países, incluindo o Brasil, e foi concebido por meio de uma parceria entre o Hospital do Câncer de Barretos e a Sociedade Americana de Câncer.
 
Além de dados estatísticos, o material contém informações sobre os fatores de risco e as medidas adotadas para combater a doença em várias partes do mundo. Embora tenha informações técnicas e possa ser fonte de consulta de profissionais da área da saúde, o atlas tem como foco a população em geral e está disponível na internet para ser acessado gratuitamente no site www.atlasdocancer.com.br.
 
"O atlas concentra todas as informações importantes de forma clara e objetiva, o que facilita a transmissão da informação", diz José Humberto Fregnani, diretor executivo do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital do Câncer de Barretos.
 
A tradução para o português pode ajudar o brasileiro a se informar mais sobre a doença e a evitá-la, tendo em vista que aumento da obesidade e dos maus hábitos no Brasil, por exemplo, estão tornando o câncer mais presente na vida dos brasileiros.
 
"Já sabemos que um em cada cinco brasileiros, até os 75 anos de idade, vai desenvolver câncer. A mudança de hábitos do brasileito tem levado a uma mudança nos tumores no Brasil. Mais da metade da população brasileira está acima do peso e há tumores que estão associados com a obesidade", explica.
 
Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa de novos casos de câncer no Brasil no biênio 2016/2017 é de 600 mil registros. "A importância do atlas é que, com ele, as pessoas conseguem ter uma visão global (da doença) e fazer comparações", diz Marceli Santos, técnica da divisão de vigilância e análise de situação do INCA.