Você está no site do SINDHOSP FEHOESP 360 Clique aqui para acessar o portal FEHOESP 360

Notícias

GRHosp aborda MP 664 e o panorama econômico no Brasil

GRHosp aborda MP 664 e o panorama econômico no Brasil

17/06/2015
A reunião mensal do Grupo de Recursos Humanos do Sindicato (GRHosp) foi realizada em 17 de junho, no auditório do SINDHOSP, e teve o atual panorama econômico no Brasil como tema de abertura. Sob a coordenação do consultor de Gestão Empresarial, Nelson Alvarez, o grupo, formado por profissionais de RH das empresas de saúde, comentou como a política e a economia podem afetar os serviços de saúde.
 
De acordo com Alvarez, as empresas devem se preparar cada vez mais para uma demanda crescente. “A saúde não pode ser tratada como negócio. Recentemente vimos no Jornal do SINDHOSP a matéria ‘Falta de qualidade custa caro’ relatando exatamente a dificuldade que o setor enfrenta com a falta de planejamento e o aumento nas demandas de atendimento”, afirmou. “Ainda temos empresas com poucos recursos e um cenário político e econômico desanimador”, completou.
 
A medida provisório (MP) 664, que trata do afastamento doe trabalho e a concessão de auxílio- doença, também foi tema de discussão. Segundo a advogada departamento Jurídico do SINDHOSP e da FEHOESP, Cristina Pollachini, a sanção ou veto presidencial ainda causa dúvidas não somente ao empregador, mas também ao INSS. “Como a medida determinava que caberia ao empregador o pagamento dos primeiros 30 dias de afastamento do colaborador, e depois o período de responsabilidade por parte da empresa voltou a ser novamente de 15 dias, as pessoas se confundem na aplicação. Fica válido, até o parecer da presidente, que deve ocorrer em 17 de junho, os 30 dias de afastamento com pagamento pela empresa. A partir de 18 de junho muda-se para 15 novamente. A conta deve ser feira com base na emissão do atestado”, explicou.
 
A reunião ainda comentou assuntos como o intervalo de 15 minutos para jornadas de 6h de trabalho; o projeto de lei (PL) 4.330, que trata da terceirização; a proposta de emenda à Constituição (PEC) 41/2015, que estabelece licença maternidade de 180 dias e paternidade de 30 dias; além da desoneração da folha de pagamento. O próximo será dia 19 de agosto.
 
Para ler a matéria do Jornal do SINDHOSP, clique aqui.