Oficina discute regras para funcionamento de laboratórios

RDC 302 da Anvisa foi pauta da reunião

Compartilhar artigo

Por meio de seu Comitê de Laboratórios, a FEHOESP promoveu uma oficina de trabalho para discutir mudanças na RDC 302/2005, no dia 3 de março, na capital paulista. 
 
Editada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, a Resolução da Diretoria Colegiada 302 funciona como o regulamento técnico para funcionamento dos laboratórios clínicos no país. Porém, como já se encontra ultrapassada em muitos de seus pontos, a norma deve ser revisada pela agência em breve.
 
Antecipando-se à decisão oficial do governo, a oficina realizada pela Federação contou com a participação e colaboração prévia do setor, que encaminhou sugestões de melhorias para discussão durante o evento. “Gostaria de agradecer todas as colaborações que recebemos das entidades do setor”, ressaltou na abertura dos trabalhos o diretor da FEHOESP e coordenador da oficina, Luiz Fernando Ferrari Neto.
 
O presidente da FEHOESP e do SINDHOSP, Yussif Ali Mere Junior, também prestigiou o evento e destacou a união das entidades em prol de melhorias. “Este tipo de reunião é muito importante. Cada vez mais precisamos nos organizar, pois sem isso não conseguiremos nada. Sairemos daqui com maior conhecimento da norma para auxiliar o setor”, afirmou.
 
Representando as demais entidades da área, também participaram da oficina Antonio Carlos de Carvalho (SINDHOSP); Carlos Ayres (Departamento de Laboratórios da CNS); Eriete Teixeira (FEHOESP e SINDHOSP); Fernando Henriques Pinto Junior (SINDRIBEIRÃO); Humberto Tibúrcio (Sindlab-MG); José Carlos Barbério (IEPAS, FEHOESP e SINDHOSP); Lenira da Silva Costa (CFF); Luiz Fernando Barcelos e Paulo Brandão (SBAC); Luiz Gastão Rosenfeld (Abramed); Marcos Machado Ferreira (CRF-SP); Tereza Neuma de Souza Brito (CRF-RN); Vitor Mercadante Pariz (SBPC/ML) e Wilson Shcolnik (SBPC/ML e Grupo Fleury).
 
Sugestões
 
Os participantes da oficina de trabalho discutiram em detalhes os pontos da RDC 302 da Anvisa, desde seu objetivo e abrangência até pontos específicos como definições e terminologias, postos de coleta, infraestrutura dos estabelecimentos, processos operacionais – como as fases pré-analítica e analítica – e a presença de responsáveis técnicos nos serviços, entre outros. 
 
As sugestões discutidas no evento estão sendo compiladas e em breve devem ser reunidas em um documento conjunto das entidades do setor laboratorial.

Artigos Relacionados...

Curta nossa página

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo
plugins premium WordPress
Rolar para cima