FEHOESP discute autenticidade de laudos com Anvisa

Nota técnica esclarece dúvidas sobre RDC nº 30

Compartilhar artigo

A autenticidade e integridade dos laudos emitidos pelos laboratórios clínicos e postos de coleta laboratorial têm sido objeto de discussão pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
 
De acordo com a resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 30/2015, publicada pela agência em 24 de julho, os laudos devem conter a assinatura do profissional que os liberou, de forma manuscrita ou digital. Esta norma altera a RDC nº 302, de 2005, que define o regulamento técnico para funcionamento dos laboratórios clínicos.
 
As entidades representativas do setor de laboratórios têm questionado a Anvisa a respeito da questão, o que acabou gerando a Nota Técnica nº 66/2015, publicada em 2 de setembro, que esclarece dúvidas sobre a RDC 30. 
 
O documento destaca, entre outros pontos, que os laboratórios devem possuir instruções escritas para a emissão dos laudos; que a assinatura não pode ser escaneada; e a necessidade de se utilizar certificação para a assinatura digital. “A certificação eletrônica, por exemplo, pode dar a falsa impressão de segurança e impossibilidade de fraudes, haja vista que uma vez impressa ou transportada para outro programa, é facilmente alterada no conteúdo, mantendo-se a assinatura intacta. Assegura sim a troca eletrônica, quando consultado o banco de dados original”, lembra Luiz Fernando Ferrari Neto, coordenador do Comitê de Laboratórios da FEHOESP.
 
Reunião na Anvisa
No dia 4 de agosto, estiveram reunidos na sede da Anvisa representantes da área laboratorial, como FEHOESP, Abramed, SBPC/ML, Conselho Federal de Farmácia, SBAC e Sindilab-DF.
 
A partir das dificuldades que o setor enfrenta para se adequar à RDC nº 30, as entidades demonstraram sua preocupação em relação ao prazo de 180 dias para adequação à norma, considerado curto, e o receio de que, por se tratar de uma questão técnica, os órgãos regionais da própria vigilância sanitária não compreendam bem a questão.
 
Luiz Fernando Ferrari Neto, coordenador da área de laboratórios da Federação, propôs na ocasião a realização de uma oficina de trabalho e treinamentos com o intuito de viabilizar a norma para os prestadores de serviços. Isso deve gerar, ainda, um manual de conduta sobre o assunto, a exemplo do que já aconteceu com a questão do transporte de material biológico humano.
 
A ideia foi apoiada por José Carlos Moutinho, diretor da Anvisa, que entende serem úteis ações para divulgação e esclarecimento sobre o tema.
 
 
Conheça a legislação:
 
 
 
 
 
Saiba mais:
 
 
 

Artigos Relacionados...

saúde suplementar
Fehoesp

Saúde Suplementar e SUS no pós-pandemia

Publicado pelo jornal Labor News, o presidente da Fehoesp, Yussif Ali Mere Junior, escreve artigo sobre o cenário da saúde suplementar versus o panorama do

Curta nossa página

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo
plugins premium WordPress
Rolar para cima