Seguradora premia hábitos saudáveis

Empresa sul-africana de seguro-saúde cria programa similar a milhagens oferecidas pelas companhias aéreas

A seguradora sul-africana Discovery leva a sério a máxima “é melhor prevenir do que remediar”, extraindo dali uma lição econômica: clientes mais saudáveis custam menos a um plano de saúde.

A empresa lançou, em 1997, o programa Vitality, que premia os hábitos saudáveis de seus segurados por meio de milhagens semelhantes às das companhias aéreas.

Atividades como ir à academia rendem pontos que podem ser gastos, por exemplo, na compra de alimentos ou de passagens de avião. “Você poderia pensar que os benefícios de um estilo de vida saudável seriam o suficiente para motivar as pessoas”, diz à Folha Alan Pollard, CEO do programa Vitality.

“O problema é que os benefícios se manifestam no futuro, enquanto o comportamento saudável é visto como um custo imediato”, afirma. Dessa maneira, a iniciativa funciona como espécie de força externa para tirar segurados da inércia. São, hoje, cerca de 2 milhões de membros, em países como África do Sul e Reino Unido.

Pollard aponta que o programa de milhagem serve de “vantagem competitiva” e também de “diferencial” em um mercado repleto de “desafios complexos que requerem soluções inovadoras”.

Entre as dificuldades do mercado, Pollard cita o mecanismo igualitário de cobrança no sistema de saúde. “O ranqueamento do risco não é permitido [no país], e pessoas velhas e doentes pagam o mesmo que jovens saudáveis pelo seguro”, diz.

No Brasil
Também devido a peculiaridades de nicho, programas semelhantes ao Vitality teriam de ser adaptados antes de ser implantados no Brasil.

O economista Wilson Rezende Silva, do GVsaúde (Centro de Estudos em Planejamento e Gestão de Saúde da EAESP), aponta que há uma relação de curto prazo em que oferecer milhagens aos clientes pode não ser vantajoso à empresa.

“Há uma troca muito frequente de planos de saúde”, diz -o que desestimularia uma empresa a investir, por exemplo, na divulgação maciça que é necessária para incentivar a mudança de hábitos proposta pelo plano.

Estudos feitos em parceria com pesquisadores da Universidade da Cidade do Cabo e de Harvard quantificam os resultados do Vitality.

Custos médicos são 10% menores para os membros engajados no programa, em comparação àqueles que não aderiram. Gastos hospitalares para doenças crônicas são até 30% mais baixos.

“Compreender os dados abre caminhos para maior expansão do modelo do Vitality”, diz Adrian Gore, presidente-executivo da Discovery. A empresa não tem planos de vir ao Brasil no curto prazo.

Fonte: Folha de S. Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

3 × 1 =

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo

SINDICATOS

Rolar para cima