Saúde precisa de mais de R$ 45 bi extra, diz governo

O ministro Alexandre Padilha (Saúde) cobrou ontem na Câmara mais recursos, alegando que Chile e Argentina investem proporcionalmente mais em saúde.

A proporção do investimento público no setor na Argentina alcança 66,4% e no Chile, 47,4%.

O Brasil ficou no patamar de 45,7%, segundo dados do ministério com base em informações de 2009 da Organização Mundial da Saúde.

Para atingir o que esses países gastam proporcionalmente, o Brasil precisaria de mais R$ 45 bilhões (valor considera União, Estados e municípios), diz Padilha.

Até aqui, o governo falava em mais R$ 40 bilhões, sempre fazendo referência à CPMF (extinta em 2007).

O ministro voltou a insistir em mais recursos para a saúde ontem, nas vésperas de a Câmara votar a regulamentação da emenda 29. A proposta definirá quais ações governamentais poderão ser classificadas como gastos no setor.

Apesar de Padilha ter reafirmado que o país precisa de uma nova fonte de recursos, os deputados deverão rejeitar a criação de imposto na votação de hoje. “A possibilidade de criar um imposto hoje não existe”, disse o presidente da Casa, Marco Maia (PT-SP).

No encontro, secretários de saúde de parte dos Estados também defenderam mais verba. Hoje, 16 governadores se reúnem com Maia para debater o tema.
O orçamento da Saúde para este ano é de R$ 77 bilhões.

Fonte: Folha de S. Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

quatro × 1 =

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo

SINDICATOS

Rolar para cima