Plano antidroga focado na saúde

Aguardado desde o início deste ano, o Plano Nacional de Combate às Drogas será finalmente anunciado hoje. O conjunto de ações prometidas para a área de saúde evidencia a fragilidade do atendimento...

Compartilhar artigo

Aguardado desde o início deste ano, o Plano Nacional de Combate às Drogas será finalmente anunciado hoje. O conjunto de ações prometidas para a área de saúde evidencia a fragilidade do atendimento atual e traz medidas controversas, como o financiamento de comunidades terapêuticas e a ampliação dos consultórios de rua. Os conselhos federais de Medicina e de Psicologia (CFP) questionam o financiamento pelo SUS das comunidades terapêuticas, que são instituições de abrigamento e não de tratamento. As entidades destacam os riscos de violações de direitos humanos. “Em vez de fortalecer os Caps (Centros de Atenção Psicossocial), querem retornar a um modelo próximo dos manicômios, pautado pelo isolamento e falta de transparência”, diz Paulo Paulo Bicalho, integrante do CFP.

O secretário de Atenção à Saúde, Helvécio Magalhães, confirma que as comunidades terapêuticas serão parte da rede de atendimento. E adianta que, para as que oferecem oficinas de arte, de esporte e atividades religiosas, o ministério lançará um edital exclusivo de financiamento de projetos, ainda sem valor definido. As que fazem internações continuarão sendo financiadas, mas por demanda de estados e municípios.

A primeira ponta da rede será o atendimento da Saúde da Família, que terá suas equipes capacitadas para a detecção de sinais de dependência.Uma outra forma de captar o dependente será por meio dos consultórios de rua. Os Caps Álcool e Drogas serão todos 24h, desde que não haja unidades de emergência próximas. Por fim, a rede contará com casas de acolhimento transitório (CAT), destinadas a dependentes que, após o tratamento, não podem retornar para casa. “Creio que seja a terceira ou quarta vez que o governo lança algo que não se desenvolve. Tenta criar um impacto na mídia para lidar com um problema social e médico grave”, critica o psiquiatra da Universidade Federal de São Paulo Ronaldo Laranjeira.

Fonte: Correio Braziliense

Artigos Relacionados...

Últimas Notícias

As mudanças climáticas e as ameaças à saúde

Os brasileiros ainda acompanham, atônitos, à tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul (RS). Em meio ao caos, movimentos de solidariedade se espalham pelo

Curta nossa página

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

Há 20 anos somos a entidade representativa dos estabelecimentos privados de saúde de São Paulo em âmbito nacional

plugins premium WordPress
Scroll to Top