Farmacêuticas negam prática de concorrência desleal

O laboratório Genzyme divulgou nota em que contesta a acusação de prática de concorrência desleal na venda do remédio Renagel, para insuficiência renal.Conforme o Estado

Compartilhar artigo

O laboratório Genzyme divulgou nota em que contesta a acusação de prática de concorrência desleal na venda do remédio Renagel, para insuficiência renal.

Conforme o Estado publicou anteontem, a farmacêutica, ao lado das empresas Lundbeck e Eli Lilly, é alvo de processos abertos pela Secretaria de Direito Econômico. A suspeita é de que as empresas tenham ingressado sistematicamente com ações na Justiça para retardar a venda de medicamentos concorrentes.

Caso sejam condenadas, poderão receber multa de até 30% do seu faturamento ou no valor equivalente ao dano causado.

Fabricante do antidepressivo Lexapro, a Lundbeck afirmou não ter ingressado com ações judiciais de forma abusiva.

A Eli Lilly do Brasil, produtora do Gemzar, para câncer, disse adotar uma postura de respeito à legislação, que inclui o direito à confidencialidade dos dados de pesquisa. Tanto a Eli Lilly quanto a Lundbeck ingressaram com ações na Justiça reivindicando confidencialidade de dados apresentados no momento do registro de seus medicamentos.

A suspeita da secretaria é de que tal estratégia impede que dados usados na pesquisa sejam adotados por outras empresas, na hora do registro das versões genéricas das drogas.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Artigos Relacionados...

saúde suplementar
Fehoesp

Saúde Suplementar e SUS no pós-pandemia

Publicado pelo jornal Labor News, o presidente da Fehoesp, Yussif Ali Mere Junior, escreve artigo sobre o cenário da saúde suplementar versus o panorama do

Curta nossa página

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo
plugins premium WordPress
Rolar para cima