Farmacêuticas são investigadas por barrar genéricos

A SDE (Secretaria de Direito Econômico) do Ministério da Justiça abriu processos administrativos para investigar três farmacêuticas que teriam entrado com...

Compartilhar artigo

Secretaria de Direito Econômico abriu processo contra três laboratórios que teriam usado processos na Justiça para impedir concorrência

A SDE (Secretaria de Direito Econômico) do Ministério da Justiça abriu processos administrativos para investigar três farmacêuticas que teriam entrado com ações na Justiça para impedir a venda de versões genéricas de remédios que comercializam.

A secretaria investiga as ações da Genzyme em relação ao remédio Renagel, para insuficiência renal; da Lundbeck, quanto ao antidepressivo Lexapro, e da Eli Lilly a respeito do medicamento Gemzar, para câncer.

“Abrimos o processo porque havia indícios de conduta anticompetitiva. Impedir a concorrência tem impacto direto para o consumidor e para a sociedade, por causa das licitações do SUS”, afirma Vinicius Carvalho, secretário de Direito Econômico.

Segundo a SDE, a Genzyme e a Lundbeck entraram na Justiça contra a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), alegando que a agência usou informações confidenciais para registrar as versões genéricas.

Há também suspeitas de que a Lundbeck tenha feito campanha contra genéricos e similares para consumidores e associações de pacientes que usam o Lexapro.

No caso da Eli Lilly, a empresa entrou com ações e recursos na Justiça pedindo a exclusividade da venda do Gemzar, mas a patente do princípio ativo foi negada pelo Inpi (Instituto Nacional de Propriedade Intelectual).

Ainda assim, a empresa conseguiu uma liminar que retirou a possibilidade de o genérico participar de algumas licitações. Com a revogação da liminar, o preço baixou de R$ 589 para R$ 189.

As conclusões da investigação serão enviadas ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Em caso de condenação, as empresas podem pagar multa de até 30% de seu faturamento bruto.

Outro lado
A assessoria da Eli Lilly diz que não teve acesso ao processo e que buscou o judiciário de acordo com a legislação para proteger o que entende ser seu direito.

A Genzyme do Brasil diz refutar qualquer acusação de prática de concorrência desleal. “A empresa sempre se pautou pelo respeito à concorrência”, afirmou.

João Carlos Rocha, gerente geral da Lundbeck, afirma que a empresa não ingressou com qualquer ação judicial de modo abusivo para garantir a venda do Lexapro.

Fonte: Folha de S. Paulo

Artigos Relacionados...

Curta nossa página

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo
plugins premium WordPress