Doutora Dilma fez pressão para que Lula fosse a exame

Após saber da rouquidão do ex-presidente, ela orientou o cardiologista Roberto Kalil Filho a 'caçar o homem'Antes de desembarcar em M

Compartilhar artigo

Após saber da rouquidão do ex-presidente, ela orientou o cardiologista Roberto Kalil Filho a ‘caçar o homem’

Antes de desembarcar em Manaus no último dia 24, Dilma Rousseff ficou ressabiada com o relato do ex-presidente Lula, seu companheiro de voo, sobre uma rouquidão estranha e persistente.

Naquela mesma segunda-feira, a presidente da República pediu à secretária uma ligação urgente assim que retornou a Brasília. “Kalil, você tem que caçar o homem. Ele não está legal.” Do outro lado da linha estava Roberto Kalil Filho, cardiologista pessoal dos dois petistas.

Quatro dias depois do telefonema de Dilma, Lula aparecia no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Levava sua mulher, Marisa Letícia, incomodada havia dias por uma dor de cabeça.

O médico, então, aproveitou e examinou paciente e acompanhante.

Menos de 24 horas depois, uma equipe do Sírio anunciava o diagnóstico: o ex-presidente iniciaria rapidamente a quimioterapia para tratar um tumor na laringe.

Durante a viagem a Manaus, Dilma deu uma rara ordem ao padrinho político: “Nem pense nisso. Você vai ter de ir ao médico já!” Decidiu interferir ao desconfiar que o conselho não seria seguido. Lula temia confirmar o que suspeitava ser câncer.

Plantão
O episódio apenas reforçou um dos apelidos da presidente: “Doutora Dilma”.

Não foram poucas as ocasiões em que ela ligou para Roberto Kalil conduzindo assessores a seus cuidados.

No mês passado, o titular da Agricultura, Mendes Ribeiro, revelou à chefe a descoberta de um novo tumor no cérebro. Tinha cirurgia marcada para algumas semanas mais tarde.

Dilma fez um “não” com a cabeça, passou a mão no telefone e organizou a ida de Ribeiro ao Sírio-Libanês. No diagnóstico da “doutora Dilma”, o procedimento deveria ser antecipado. E foi. Um avião do governo levou-o às pressas a São Paulo.

Dilma Rousseff costuma determinar checkups a assessores ao primeiro sinal de problema. E faz isso como quem ordena a elaboração de uma política pública.

Em junho, ela notou que o semblante do ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) estava pálido. Mais uma vez, lançou a triagem clínica: despachou-o ao Sírio-Libanês, onde foi operado para tratar uma hemorragia.

Alguns dizem que o assunto “saúde” tornou-se caro a Dilma após a descoberta de um câncer no sistema linfático em 2009.

Já outras pessoas próximas lembram que a preocupação vem de antes.

Quando ministra da Casa Civil, ela ajudou a angariar fundos a fim de pagar uma UTI-aérea. Uma de suas auxiliares, grávida de sete meses, sofria de uma perigosa infecção no cérebro e precisava seguir às pressas para São Paulo. A paciente era Tereza Campello, hoje ministra do Desenvolvimento Social.

Fonte: Folha de S. Paulo

Artigos Relacionados...

Últimas Notícias

As mudanças climáticas e as ameaças à saúde

Os brasileiros ainda acompanham, atônitos, à tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul (RS). Em meio ao caos, movimentos de solidariedade se espalham pelo

Curta nossa página

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

Há 20 anos somos a entidade representativa dos estabelecimentos privados de saúde de São Paulo em âmbito nacional

plugins premium WordPress
Scroll to Top