Dos navios que passam pela costa do Brasil, 27% têm problemas sanitários

Relatório das inspeções feitas em 41 dos 45 navios de cruzeiro que estiveram na costa brasileira na temporada passada (outubro de 2010 a maio de 2011) mostra que 27%...

Compartilhar artigo

Relatório das inspeções feitas em 41 dos 45 navios de cruzeiro que estiveram na costa brasileira na temporada passada (outubro de 2010 a maio de 2011) mostra que 27% apresentaram número de irregularidades sanitárias superior ao considerado satisfatório pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Os problemas vão do armazenamento inadequado de alimentos à falta de condições higiênicas na água oferecida aos passageiros.

Os dados foram divulgados ontem durante o Encontro Anual de Avaliação da Temporada de Navios de Cruzeiro 2010/2011, promovido pela agência no Rio. “Ainda é um número alto. Nosso objetivo é que 100% dos navios cumpram todos os itens sanitários. A partir do momento em que aumenta o número de navios adeptos ao regulamento sanitário, o número de doenças a bordo abaixa”, disse o diretor da Anvisa, José Agenor Álvares.

Segundo ele, não é possível comparar o porcentual entre as últimas temporadas, porque este foi o primeiro levantamento da Anvisa com base no sistema de análise de risco.

Na inspeção, os fiscais listaram os itens sanitários. Quando o navio cumpre 90% deles, o índice é satisfatório – ele foi alcançado por 30 embarcações na última temporada. O pior resultado, 78%, foi o do navio Costa Fortuna, da italiana Costa Cruzeiros. Procurada, a empresa afirmou que segue padrões rígidos para garantir a qualidade dos alimentos e nunca registrou, em 63 anos de operação no País, nenhum caso de irregularidade.

Segundo Álvares, os navios que não atingiram a meta serão fiscalizados com maior rigor na da próxima temporada, que começa no mês que vem.

Entre os alimentos, a maior parte das irregularidades (44%) envolve a existência de materiais em desuso ou estranhos na área de recebimento da comida, como vassouras. Alimentos que não são mantidos sob condições ideais de temperatura e clima correspondem a 26%. Outros 26% dizem respeito a talheres não embalados em invólucros descartáveis – em cruzeiros, o uso de guardanapos para esse fim não é permitido.

Doenças – Apesar das falhas sanitárias, houve queda no total de doentes. Foram 792 em 2010/2011 contra 4.442 casos em 2009/2010. Na última temporada, a maioria dos casos foi de diarreia (466), seguida por influenza (297) e catapora (19). O episódio com o maior número de doentes foi em 23 de março: 53 casos de diarreia em um navio que passou por Recife, Fortaleza e Belém.

Em janeiro de 2009, o neurocirurgião Murillo Drummond, de 82 anos, estava a bordo de um navio quando cerca de 380 passageiros apresentaram quadro de gastroenterite. “Nos deram pouquíssima atenção e explicação sobre o que estava acontecendo”, contou. “Pior que o problema foi a forma como nos trataram. O sogro do meu filho passou muito mal, teve uma hemorragia digestiva. Ele ficou internado por 15 dias”, completou.

Segundo o diretor da Anvisa, as punições às irregularidades sanitárias vão de multa – de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão, que pode ser dobrada em caso de reincidência – à interdição da embarcação.

A Anvisa lançou ontem um site (anvisa.gov.br/hotsite/cruzeiros/index.html) com dicas para os viajantes. Ao fim do encontro, hoje, deve ser elaborado o Guia Sanitário de Navios de Cruzeiro.

O vice-presidente da Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar), André Pousada, não quis se manifestar sobre as irregulares sanitárias por não saber se elas foram constatadas nos navios representados pela entidade. A Abremar representa 20 dos 45 navios que passaram pela costa brasileira na última temporada de cruzeiros e permaneceram mais de seis meses nas águas do País.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Artigos Relacionados...

Últimas Notícias

As mudanças climáticas e as ameaças à saúde

Os brasileiros ainda acompanham, atônitos, à tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul (RS). Em meio ao caos, movimentos de solidariedade se espalham pelo

Curta nossa página

Mais recentes

Receba conteúdo exclusivo

Assine nossa newsletter

Prometemos nunca enviar spam.

Há 20 anos somos a entidade representativa dos estabelecimentos privados de saúde de São Paulo em âmbito nacional

plugins premium WordPress
Scroll to Top