Cresce venda de software para gestão de hospitais

O segmento de software para gestão hospitalar existe no Brasil há dez anos, mas só nos últimos dois anos ganhou impulso. Atualmente, o setor responde por 2% da indústria brasileira de software, movimentando por ano R$ 500 milhões, segundo fabricantes ouvidos pelo Valor. As companhias estimam que esse segmento crescerá seis vezes nos próximos cinco anos, com demanda aquecida nos setores privado e público.

A americana InterSystems prevê um aumento de 50% na receita gerada em sua operação brasileira. “A projeção é de que essa divisão movimente US$ 30 milhões neste ano”, diz Carlos Eduardo Kuhl Nogueira, diretor-geral da companhia para a América Latina.

O principal projeto da empresa é o Sistema Integrado de Saúde (SIS), implantado pelo governo do Distrito Federal. O SIS compreende 10,2 mil usuários do corpo clínico de 41 instituições, entre hospitais, unidades de pronto atendimento, centros de saúde e laboratórios. No total, a InterSystems desenvolve três grandes projetos públicos no país e já cadastrou o prontuário eletrônico de 2,5 milhões de pacientes. A meta da companhia é expandir esse serviço para 10 milhões de pessoas até 2012.

Paulo Magnus, presidente da companhia brasileira MV Sistemas, também prevê uma expansão significativa do mercado, com aumento da demanda no setor público – que começou a ficar forte neste ano – e crescimento das vendas para o setor privado. Sediada no Rio Grande do Sul, a companhia atua exclusivamente com sistemas de gestão em saúde e tem hoje sistemas implantados em 500 hospitais.

Nos últimos três anos, a MV investiu em duas novas unidades de desenvolvimento de software, instaladas em Fortaleza e Recife, que se integram à unidade de Passo Fundo (RS). A expansão, diz Magnus, tem por objetivo acompanhar o cenário favorável e ampliar a receita de R$ 80 milhões registrada em 2010. “Esperamos manter em 2011 a média de crescimento de 20% observada nos últimos anos”, afirma.

Outra companhia que vem reforçando os investimentos no setor é a Totvs. Em dezembro, a empresa concluiu a aquisição da Gens Tecnologia e Informática, especializada em software de gestão para a área de saúde. Com uma base de 36,5 mil clientes, entre hospitais, operadoras de planos de saúde, clínicas e laboratórios, o segmento é uma das quatro principais áreas de negócios da Totvs. “Hoje cerca de 20% do nosso orçamento total de desenvolvimento de software é destinado aos sistemas de saúde”, diz Gilsinei Hansen, diretor de software e segmentos da empresa.

A portuguesa Alert, que chegou ao país em 2007, também diz se beneficiar da demanda no setor público. A empresa tem contratos com 35 hospitais, que atendem 12 mil pessoas por dia. Neste mês, fechou contrato com 20 hospitais da rede pública do Estado de Minas Gerais e com a Beneficência Portuguesa, de São Paulo. “As vendas para o Brasil devem crescer 60% neste ano”, afirma Luiz Brescia, diretor-geral da Alert no país. A operação representa 30% da receita global da companhia. A projeção da Alert é elevar seu faturamento global de ? 47 milhões para ? 60 milhões neste ano.

Dona da Wheb Sistemas, que possui 350 clientes, a Philips estuda adquirir outras empresas de software no país para complementar seu portfólio, afirma Juan Hoyos, diretor da área de cuidados ao paciente e informática.

Os investimentos feitos por essas companhias levam em consideração a demanda atual e as expectativas de avanço no grau de informatização das instituições de saúde. Existem no país 6,3 mil hospitais públicos e privados, mas apenas 15% possuem sistemas informatizados, o que limita um avanço mais rápido das vendas de softwares de gestão, afirma Ciro Menezes, diretor comercial da HelpLink. “O mercado atual é pequeno, mas há um grande potencial de expansão”, afirma.

A HelpLink investiu R$ 700 mil no desenvolvimento de um software, lançado há um ano. Atualmente, seis unidades de saúde usam o programa. Como estratégia de crescimento, a HelpLink pretende participar neste ano de sete licitações de prefeituras e governos estaduais. A maioria das licitações são no Estado de São Paulo. Menezes observa que já foram divulgados em torno de 50 editais neste ano.

A MTM Tecnologia também passou a competir no segmento há dois anos, com um aplicativo de prontuário eletrônico para smartphones. O aplicativo já foi adotado pela equipe médica do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), em São Paulo; pelo Hospital Espanhol, em Salvador, administrado pela Real Sociedade Espanhola de Beneficência; e exportado para 1,2 mil clínicas dos Estados Unidos e da Inglaterra por meio da representante Care Stream Health. “Neste ano, pelo menos mais seis hospitais no Brasil vão instalar o software”, diz Gustavo Perez, presidente da companhia.

Programas começam a ajudar em tratamentos
 

O uso de softwares tem auxiliado a gestão de hospitais e clínicas médicas, mas, agora, os benefícios dessas tecnologias começam a ir além da ala administrativa. Embora a oferta ainda seja incipiente, já existem softwares desenvolvidos especificamente para ajudar no tratamento de doenças.

O tabagismo é um dos males cujo combate conta com o auxílio de um software especial, desenvolvido no Brasil. O funcionamento da ferramenta é simples: o médico fornece ao sistema uma série de informações referentes ao tratamento; a análise desses dados permite medir os resultados e adequar a metodologia caso o tratamento não tenha sucesso.

A ferramenta não surgiu por iniciativa de uma empresa de software. Sem encontrar companhias que tivessem um produto nesse formato, a cardiologista Jaqueline Scholz Issa contratou um analista e um desenvolvedor de sistemas e formou uma equipe para criar a ferramenta, em 2008.

“Uma coisa é fazer um prontuário eletrônico, outra é desenvolver um instrumento que possa aperfeiçoar a prática clínica”, diz Issa. Segundo ela, faltam no mercado ferramentas que também levem em conta a visão do médico. A cardiologista fundou uma empresa em parceria com os profissionais que havia contratado e atualmente vende o software para outros médicos especialistas no tratamento do tabagismo.

No campo acadêmico também surgem iniciativas para aplicar os softwares à medicina. Na Unesp de Sorocaba, estudiosos de diferentes áreas – engenharia eletrônica, medicina e física – desenvolveram um software que “quantifica” inflamações nos olhos e permite avaliar a evolução da doença.

De acordo com o professor Galdenoro Botura Júnior, que orientou o projeto na Unesp, há planos para que o software fique disponível em hospitais e clínicas do país. O uso da ferramenta poderia gerar economias com a compra de equipamentos que custam caro e possuem uma função semelhante.

O software é capaz de analisar a inflamação ocular a partir de uma fotografia. Com isso, poderia acelerar o tratamento de pessoas que moram em locais mais distantes.

No meio acadêmico, porém, o distanciamento entre diferentes áreas é um fator que impede que mais projetos desse tipo deem resultados. “Cada um se fecha em sua especialidade e não se aproxima de projetos multidisciplinares”, diz o professor.

Fonte: Valor Online

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

1 + quinze =

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo

SINDICATOS

Rolar para cima