ClasSaúde 2011 – Economista do Banco Mundial debate sistema de saúde público-privado

André Medici é especialista em políticas de saúde e estará no primeiro dia do 16º Class

 

Convidado do primeiro dia do 16º Congresso Latino-Americano de Serviços de Saúde, o economista sênior do Banco Mundial André Medici é especializado em políticas de saúde. Autor de livros, foi professor e pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública (RJ) e participou do movimento que resultou, em 1988, na construção do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil.

 

Os congressistas deste ano poderão compartilhar experiências com o especialista no dia 25 de maio, dentro do Módulo de Saúde Público-Privado, que acontece no Expo Center Norte, durante a Feira Hospitalar 2011. Confira, abaixo, entrevista com André Medici:

 

Qual a sua expectativa neste ano para o Módulo de Saúde Público-Privado?

AM – O módulo foi estruturado para avançar na discussão de temas atuais nos desafios do setor saúde: a complementaridade das relações entre os setores público e privado e a importância de seu exercício para a sustentabilidade dos sistemas de saúde no Brasil; a discussão entre prioridades de saúde e avaliação de tecnologias para aumentar a eficiência e o valor do produto de saúde entregue a população, destacando a experiência do NICE, na Inglaterra, do Instituto Cochrane, no Brasil, e da ANVISA; a contribuição dos hospitais públicos e privados na preservação ambiental; e a promoção da qualidade, segurança dos pacientes e transparência no setor saúde. Minha expectativa é que se tenha uma discussão muito rica, com novas ideias e cheia de experiências internacionais relevantes para o Brasil.

 

Qual o papel do setor privado hoje no sistema público de saúde brasileiro? Existe de fato uma interdependência entre eles?

AM – Existe. O SUS não poderia existir sem a forte participação do setor privado na prestação e entrega de serviços para a população. De acordo com os dados da Pesquisa de Assistência Médico-Sanitária do IBGE de 2009, dos 315 mil leitos de internação disponíveis no SUS, 54% pertenciam ao setor privado lucrativo ou filantrópico. No mesmo ano, o Brasil realizou 23,2 milhões de internações, das quais 8,1 milhões em hospitais públicos e 15,1 milhões em hospitais privados. Destas realizadas por hospitais privados, mais de dois terços (10,9 milhões) foram pagas pelo SUS. Portanto, a interdependência entre os dois setores continua sendo muito alta. No entanto, existem áreas onde a coordenação e a interdependência poderia melhorar.

 

Na sua visão, os problemas do SUS se resumem somente a má administração e escassez de recursos?

AM – O SUS representou muitas conquistas para a melhoria da saúde dos brasileiros, mas problemas de gestão, corporativismo e falta de transparência são ainda questões endêmicas. Temas como gestão e transparência parecem estar no centro das preocupações do ministro Alexandre Padilha, quando declarou que a organização do sistema em redes de saúde é uma de suas prioridades. Temas associados à governança já têm encontrado algumas soluções, como as organizações sociais em São Paulo, as parcerias público-privadas que vem crescendo na Bahia, Pernambuco ou em municípios como São Paulo; muitas destas experiências já possuem avaliações positivas. De qualquer forma, é importante que a gestão exija soluções que permitam aumentar a autonomia das instituições, dar liberdade ao gestor em alocar os recursos físicos, humanos e financeiros na combinação mais apropriada para melhorar a eficiência e gerar incentivos adequados para que os profissionais participem com o máximo de seu intelecto e boa vontade no processo. Vale destacar ainda que uma melhor gestão é a melhor forma de combater a escassez de recursos, pois não se pode colocar recursos adicionais em uma administração ineficiente.

 

Existem experiências em saúde de outros países que são bons exemplos a serem reproduzidos no Brasil?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dois × 3 =

Há 20 anos representamos hospitais, clínicas, laboratórios e outros estabelecimentos do setor privado de Saúde no Estado de São Paulo

SINDICATOS

Rolar para cima