Notícias

Uso controlado da Talidomida é tema de debate

Uso controlado da Talidomida é tema de debate

28/09/2018

Atividade orientou profissionais de saúde sobre a utilização adequada do medicamento, que só pode ser usado com prescrição médica e não é recomendado para gestantes

A Anvisa, em parceria com o Ministério da Saúde, realizou a primeira etapa do seminário da região Nordeste sobre o controle do uso da Talidomida, com a participação de profissionais de saúde de Sergipe, Bahia e Pernambuco. O objetivo do evento foi orientar sobre a importância do uso controlado desse produto, bem como promover a educação permanente sobre o tema, com um debate qualificado.

A atividade ocorreu no dia 20/9, em Aracaju (SE), e reuniu servidores da Anvisa e autoridades sanitárias locais, além de profissionais da assistência farmacêutica e do Programa de Hanseníase de estados e municípios.

Quando recomendada por médicos, a Talidomida pode ser usada no tratamento de várias doenças, tais como a hanseníase, HIV e lúpus, e trazer benefícios aos pacientes.  No entanto, quando administrada de forma inadequada, a substância oferece risco à saúde, especialmente para gestantes, pelo risco de malformação congênita do bebê.

Por esse motivo, é importante que os serviços de atendimento e acompanhamento de pacientes contem com profissionais preparados para fazer o controle do uso do medicamento.

Segurança

A base da discussão foi a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 11, de 2011, que dispõe sobre o controle da substância no Brasil, com ênfase nas estratégias adotadas para promover o uso racional do medicamento, de modo a conferir maior segurança aos pacientes.

As palestras abordaram um conjunto de regras e procedimentos especiais que devem ser seguidos para a distribuição, prescrição, dispensação e utilização da Talidomida, incluindo a orientação aos pacientes pelos profissionais de saúde.

Aperfeiçoamento

Durante o evento, foi discutido o cenário atual do controle da Talidomida nos estados e municípios, a partir de dois eixos: dificuldades e potencialidades do uso do medicamento.

De acordo com a expectativa da Anvisa, cada estado deve conseguir criar ou aperfeiçoar o seu modelo de plano de ação, visando a organização dos serviços locais e a execução adequada das ações, de forma contínua, com apoio técnico e monitoramento do Ministério da Saúde e da Anvisa.

Até o final deste ano, está prevista a realização de mais uma edição do seminário sobre o controle da Talidomida no Nordeste, além de outra no Centro-Oeste. O planejamento da Anvisa para 2019 prevê essa mesma atividade para os estados das regiões Norte, Sul e Sudeste.

 

 

Fonte: Anvisa