Notícias

Indicadores da economia: como refletem nas nossas atividades?

Indicadores da economia: como refletem nas nossas atividades?

20/09/2018

Indicadores são baseados em dados que sugerem se a economia está se expandindo ou contraindo, ajudando os investidores a decidirem onde colocar o seu dinheiro. Esses índices, que devem ser analisados de forma complementar, podem dar uma noção da situação financeira do país, de forma que possa planejar o seu orçamento. 

Conheça os principais indicadores econômicos:

Produto Interno Bruto (PIB) – é a soma de todas Produto as riquezas de uma nação em um determinado momento. Situação em 2017: - R$ 6,559 trilhões, equivalente a US$ 2,080 trilhões. Com a previsão de aumento no ano de 2018 em 1,5%.

Juros (Taxa Selic) – é utilizado em alguns empréstimos, em dívidas tributárias e para remunerar alguns títulos públicos indexados a esse indicador. É divulgado a cada 45 dias pelo Comitê de Política Monetária (COPOM) e adota o regime de “Metas de inflação”. Atualmente a taxa Selic é de 6,5% ao ano. 

Inflação – existem diversos indicadores de inflação no Brasil. O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) é considerado o índice oficial do país. O IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) é utilizado nos dias de hoje para a correção de contratos de aluguel e de algumas tarifas públicas. A inflação é determinada pelo aumento de preço de bens e serviços ao longo de um período. No entanto, a inflação é uma consequência natural do passar do tempo. A Política Monetária se dá exclusivamente com foco na evolução das projeções de inflação. A projeção para 2018 está entre 4% e 5%.

Balança Comercial – é a diferença líquida entre os valores das exportações e importações e mostra se existe um excedente comercial (mais dinheiro entrando no país) ou um déficit comercial (quanto a Taxa de Câmbio, o Brasil adota o regime de Câmbio Flutuante. A projeção para o final de 2018 é de mais dinheiro indo para fora do país). A Reserva Cambial aumentou nos últimos anos, passando de US$ 37,7 bilhões ao fim de 2002 para US$ 370 bilhões no final de 2017 sob uma taxa de câmbio de R$ 4,25.

A Dívida Pública Bruta em 2017 era de R$ 3,559 trilhões. O governo estima que ela deve ultrapassar 80% do PIB em 2020: parte em dívidas estrangeiras, que estão plenamente cobertas com as reservas internacionais e a grande parte com credores internos, em um nível de endividamento muito crítico ou quase insustentável.

Renda e Taxa de Desemprego – a taxa de desemprego mede o número de pessoas à procura de trabalho. Em uma economia saudável a taxa de desemprego fica entre 3% a 5%. No Brasil, gira em torno de 12%. Reflete diretamente na renda e nos lucros das empresas.

Política Fiscal dos gastos com despesas e investimentos públicos - Atualmente temos o controle do chamado de “Teto dos Gastos”, um limite para as despesas aprovada pela EC 95 que permite a correção dos gastos para o ano seguinte. Assim, se as despesas aumentarem mais que a inflação, o governo diminui os investimentos.

Como disse “Stephen Kanitz”, renomado administrador, “defender um sistema de referência nacional forte pode parecer picuinha intelectual, um mero detalhe. Mas, tanto quanto a Constituição, nenhum país pode dispensar um forte sistema de mensuração – contabilidade forte – para se guiar em relação ao futuro”. 
 

Por Massao Hashimoto, consultor contábil do IN$truir