Notícias

Federação e seus sindicatos apoiam o Dia D da Diálise

Federação e seus sindicatos apoiam o Dia D da Diálise

17/08/2018

Devido a grave crise financeira enfrentada pelas clínicas de diálise que prestam serviço ao SUS, surgiu a necessidade de desenvolver a apoiar ações que visem chamar a atenção do público em geral, e, em especial das autoridades para a necessidade de manter o nível de qualidade do tratamento renal crônico e o acesso dos pacientes.

O tratamento oferecido hoje proporciona qualidade de vida a esses pacientes em um ambiente multiprofissional com uma rigorosa fiscalização pelos órgãos competentes.

A diálise no Brasil mantém níveis de qualidade quando comparados aos melhores centros do mundo. Em contrapartida pacientes ocupam leitos hospitalares por meses por falta de vagas nos centros de diálise.

Os custos operacionais com insumos importados e pessoal especializado estão impedindo as clínicas de investirem em expansão e novas tecnologias.
Apesar da baixa remuneração da tabela SUS, o Ministério da Saúde paga em dia para os fundos estaduais e municipais de saúde repassarem o recurso às clínicas, porém as secretarias sem justificativa, retém o repasse por mais de 30 dias.

Diante dessa problemática foi criada a campanha de valorização “Vidas importam, a diálise não pode parar”.

O Dia D da Diálise – 29/08/2018 pretende mobilizar a imprensa, sociedade e principalmente os governantes, mostrando as dificuldades enfrentadas pelas clínicas para assegurar a qualidade deste tratamento.

São mais de 120 mil pacientes renais crônicos que fazem diálise em 750 clinicas espalhadas pelo país e que dependem deste tratamento para manter uma vida próxima do normal, podendo trabalhar, ir ao cinema, viajar, praticar exercícios, jantar fora etc.

A hemodiálise é, sem dúvida, um dos maiores avanços da medicina. Os rins são os únicos órgãos nobres que podem ser substituídos, ainda que não perfeitamente, por uma máquina. Se você tem uma falência do coração, do cérebro, dos pulmões, do fígado, etc. e não se submeter a um transplante de órgãos, o seu destino será impreterivelmente a morte. Se seu rim entrar em falência, você passará a fazer diálise e ainda poderá viver e ser produtivo por muitos anos.

Saiba mais. Acesse: www.vidasimportam.com.br

 

 

Fonte: SBDT