Notícias

Desejo de morte digna dos pacientes em estado terminal gera debate

Desejo de morte digna dos pacientes em estado terminal gera debate

20/09/2017

Pedido antecipado nem sempre é atendido, por questões culturais e jurídicas

As dificuldades de médicos, familiares e pacientes em casos de doenças irreversíveis e terminais têm gerado um debate a respeito da melhor solução para um fim de vida digno. É a busca da capacidade de transformar o pânico em paz. Muitas vezes, questões culturais têm prolongado o sofrimento de pacientes no leito.

Modernas técnicas de ressuscitação, entubamento, cirurgias, aprovadas por familiares e utilizadas por uma equipe que se vê sem alternativas, devido também à impossibilidade jurídica, por vezes só aumentam a agonia diante da morte inevitável do paciente. A consequência costuma ser alguns dias a mais de vida ou um longo tempo em estado vegetativo.

A discussão sobre o testamento vital entra nesse contexto, de acordo com o presidente da Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (Fehoesp), Yussif Ali Mere Jr..No documento, o paciente, bem antes de ficar doente, já registra seu desejo de não passar por tratamentos invasivos caso entre em um estágio de doença terminal.

E, segundo Mere Jr., não deve ser levada em conta apenas a questão jurídica (já que o documento ainda não é considerado uma lei) para que os médicos não o utilizem, apesar de ser regulamentado pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) desde 2012.

— Há a questão jurídica, mas é muito importante superar uma questão cultural, no sentido de que o médico não está preparado para lidar com isso. É preciso orientação, esclarecimento, transparência, informação, para médicos, familiares e pacientes.

Ele explica o conceito que rege o testamento vital, baseado, antes de tudo, na maturidade para lidar, e conversar, antecipadamente sobre a morte. Para Mere Jr., trata-se de instrumento que faz as pessoas encararem, e muitas vezes superarem, o tabu de falar sobre o assunto.

— Não podemos colocar o paciente, que já não responde aos tratamentos convencionais, na UTI e ficar fazendo tudo que nós achamos, sem ouvir a família e, principalmente, sem saber dos desejos do paciente antes dele ter ficado doente. Todas as vidas têm limite e precisamos conhecer esse limite.

O medo da ausência, então, se torna a certeza da presença constante, em forma de saudade, de legado, do orgulho pelo dever cumprido, valores até mais fortes do que a ciência nessa busca pela vida eterna.

Culpa e recursos financeiros

Para transformar em lei o projeto relativo ao testamento vital, a Fehoesp lançou no fim de agosto uma pesquisa pública com o objetivo de conhecer a opinião da população a respeito do testamento vital. Qualquer cidadão pode participar da pesquisa, até o próximo dia 30, pelo endereço www.fehoesp360.org.br

O clínico geral Samir Salman, superintendente de um hospital específico para cuidados paliativos, já adianta que o brasileiro, em geral, é adepto da ideia de prolongar a vida a qualquer custo.

Ele destaca que, atualmente, a medicina do cuidado paliativo é mais importante do que a da cura, principalmente em idosos com doença avançada.

— A maioria das doenças prevalentes em idosos não têm cura, eles precisam de um acompanhamento e cuidado para que os efeitos sejam retardados. O cuidado paliativo não é feito só por médico, é preciso uma equipe, com psiquiatria, assistência social, assistência espiritual, psicologia, e itens que façam o trabalho de apoio ser completo.

Salman afirma que tentar prolongar a vida de um ente querido é uma forma também de lidar com a culpa e outros sentimentos, que fazem parte da realidade humana em relação às próprias limitações. E ressalta que, paradoxalmente, os pacientes de classes sociais mais altas são os que mais sofrem neste sentido.

— É inegável que temos de utilizar todos os avanços, mas, ao mesmo tempo, não podemos usar esses avanços em interesses prejudiciais. O viés financeiro interfere no sentido de possibilitar intervenções que chamamos de obstinação terapêutica, que prolongam a vida, sem nunca mais o paciente entrar em contato com a família. Quem tem menos dinheiro, tem mais chances de morrer dignamente, isso é um paradoxo.

 

 

Fonte: Portal R7